Capítulo 2: Certificações, valem a pena?

Autor: Gustavo Nascimento
Revisor: Felipe da Silva

Introdução

A indústria de software vem apostando cada dia mais na qualidade de seus produtos. Um dos caminhos que as empresas estão seguindo é a profissionalização da atividade de teste. Ter uma equipe de testes já é uma tendência nas fábricas de software.
O intuito desta área, que pode ser considerada nova no mercado brasileiro, é detectar e corrigir falhas nos softwares antes que esses sejam entregues aos clientes. No Brasil, os compradores de serviços de software (principalmente órgãos governamentais) e as empresas de software começam a valorizar esta área. Isso faz com que os profissionais especializados sejam mais valorizados e, neste caminho, as certificações começam a aparecer como um diferencial [1].
Com a área de testes em expansão, surgem questões relacionadas a certificações. Afinal, elas valem a pena?
O objetivo deste capítulo é apresentar ao profissional alguns aspectos que devem ser considerados na hora de traçar seu plano de carreira voltado para a área de testes e também esclarecer algumas dúvidas sobre o que a comunidade pensa sobre certificações em testes de software. O capítulo também traz um “guia” das principais certificações existentes atualmente e algumas orientações ao profissional que deseja seguir este caminho.

Porque certificar

Semelhantemente à outras áreas da engenharia de software, existem diversas certificações em Teste de Software que visam garantir, às empresas contratantes, que o profissional certificado possui determinado nível de conhecimento na área. Do outro lado, o profissional ganha visibilidade no mercado e aumenta suas chances de conseguir uma posição no mercado.
Embora as certificações comprovem certo nível de conhecimento e algumas exijam algum tempo de experiência na área de tecnologia da informação como pré-requisito, de uma forma geral, elas não conseguem medir a experiência do profissional na área de teste. Quando se fala em Testes de Software, é quase que um consenso (dentro da comunidade de testes DFTestes) que a experiência do profissional na área agrega muito valor e que esta experiência deve ser relevante em um processo de seleção ou em uma promoção.
O fato é que grande parte das empresas ainda enfrentam dificuldades em avaliar o conhecimento e experiência de um profissional da área e utilizam-se das certificações como instrumento de avaliação. Quando isso ocorre, é muito provável que um profissional experiente, que supostamente traria mais resultados positivos para a empresa contratante, seja descartado em um processo de seleção ou em uma promoção, antes mesmo de iniciá-lo, por não possuir uma certificação. Este é o principal motivo das críticas direcionadas às certificações em Teste de Software.
Em resumo, como veremos nas próximas seções, as diversas certificações em Testes de Software abordam, em níveis e formas diferentes, diversos conteúdos relacionados a testes. Isso faz com que uma certificação seja mais abrangente que outra e, por sua vez, mais valorizada. Algumas certificações ainda tem reconhecimento internacional e outras são reconhecidas apenas no Brasil. Portanto, é importante que o profissional que deseja se certificar saiba que a certificação não substituirá a experiência e, ainda, saiba escolher a certificação mais adequada a seus objetivos profissionais a curto, médio e longo prazo.

Certificações existentes na área de testes de software

Diversas são as certificações existentes em testes de software. Independente de qual certificação for escolhida, o profissional que deseja se certificar deve estar ciente de que só a certificação não é suficiente para garantir sucesso profissional.
As certificações são bem vindas, desde que acompanhadas de comprometimento, empenho e, com o passar do tempo, experiência. A experiência é o principal fator que pode resultar no sucesso profissional.
Nesta seção são apresentadas algumas das principais certificações em testes de software existentes atualmente.

QAI – Quality Assurance Institute 

A QAI é a instituição que administra a Software Certifications, organização sem fins lucrativos, e é responsável pela criação e atualização da base de conhecimento de onde os exames QAI são gerados. A QAI oferece grupos distintos de certificação, que são voltadas para as áreas de Teste de Software, de garantia da qualidade e de gerenciamento de projetos [2] [3].
As certificações do QAI foram projetadas para testar as habilidades de profissionais que atuam em uma das áreas cobertas pelo corpo comum de conhecimento relacionado ao assunto desejado, denominado CBOK (material base para estudo). Estas certificações são direcionadas aos profissionais que tenham experiência significativa e ampla para dominar os conceitos básicos desses assuntos [2].
De acordo com Fernando Scarazzato, as certificações da área de Testes de Software oferecidas pela QAI para o mercado brasileiro é a CSTE (Certified Software Tester):

  • A CSTE é voltada para especialistas em Testes de Software, esta certificação demonstra o nível de conhecimento e habilidades que o profissional possui nos princípios, conceitos e práticas do Teste de Software. As pessoas com a habilitação CSTE conquistam o papel de conselheiros da alta gerência, auxiliam outros indivíduos na melhoria e evolução dos programas de Teste de Software da organização, motivam o pessoal responsável pelo Teste de Software a manter suas habilidades sempre atualizadas e são vistos como agentes de mudanças, alguém que possa mudar a cultura e os hábitos de trabalho dos indivíduos para fazer com que a qualidade no Teste de Software aconteça.

Para estar qualificado para se candidatar ao exame de certificação cada candidato deve ter trabalhado na área de serviços de informação, preferencialmente com Teste de Software, nos últimos 18 meses e possuir um dos quatro pré-requisitos abaixo:

  • Formação de 4 anos em alguma instituição de nível universitário reconhecida e 2 anos de experiência na área de sistemas de informação; ou
  • Formação de 3 anos em alguma instituição de nível universitário reconhecida e 3 anos de experiência na área de sistemas de informação; ou
  • Formação de 2 anos em alguma instituição de nível universitário reconhecida e 4 anos de experiência na área de sistemas de informação; ou
  • Seis anos de experiência na área de sistemas de informação.

A QAI oferece ainda para o mercado brasileiro as certificações CSQA – Certified Software Quality Analyst (voltada para especialistas em garantia da qualidade) e CSPM – Certified Software Project Manager (voltada para especialistas em gerenciamento de projetos).

ISTQB – International Software Testing Qualifications Board 

O ISTQB é um conselho internacional, sem fins lucrativos, formado em 2002, composto por representantes de mais de 40 países, denominados conselhos membros. Esse conselho, que cresce a cada ano, dedica-se à disciplina de Testes de Software e promove o profissionalismo na área através de um programa de certificações profissionais. No Brasil, o conselho membro é o BSTQB (formado em 2006).

Atualmente são mais de 120.000 certificados ISTQB no mundo e mais de 500 certificados no Brasil, sendo a maior certificadora em Testes de Software no Brasil e no mundo [4].

As certificações na área de testes oferecidas pelo ISTQB são:

  • CTFL (Certified Tester Foundation Level): Esta certificação destina-se ao profissional de Testes de Software que tem como objetivo estar apto a comparar as práticas de testes entre diferentes países, a trocar conhecimentos na área de testes, a ter uma certificação reconhecida internacionalmente, a desenvolver um corpo comum internacional de compreensão e conhecimento sobre Teste de Software (este corpo de conhecimento é denominado syllabus, e é o material onde a certificação se baseia). O certificado CTFL não possui pré-requisitos obrigatórios, não expira e não precisa ser renovado.
  • CTAL (Certified Tester Advanced Level): O objetivo desta certificação é assegurar, em níveis avançados, a compreensão em técnicas de teste, gestão e melhoria do processo de teste. Esta certificação destina-se ao especialista em Testes de Software, que tenha experiência em sua carreira de testes. Isto inclui pessoas em papéis como testador, analistas de testes, engenheiro de testes / arquiteto de teste, líder de teste / gerente de teste / coordenador de testes. Esta certificação também é adequada para quem deseja um entendimento mais profundo sobre Testes de Software, tais como Gerentes de Projeto, Gerentes de Qualidade, Gerentes de Desenvolvimento de Software, Analistas de Negócios, Diretores de TI e Gestores.

O CTAL possui como pré-requisitos que o candidato tenha a certificação CTFL e que tenha uma experiência mínima de três anos em Testes de Software ou sistemas, desenvolvimento, garantia da qualidade ou áreas correlatas.

O CTAL é dividido em CTAL-TA (Advanced Level Test Analyst), CTAL-TM (Advanced Level Test Manager), CTAL-TTA (Advanced Level Technical Test Analyst).

ALATS – Associação Latino Americana de Testes de Software 

A ALATS é uma instituição sem fins lucrativos, fundada em 2002, que tem o objetivo de reunir profissionais das áreas de teste e de qualidade de sistemas para servir de apoio a troca constante de informações. A participação na ALATS é aberta a todos os profissionais e empresas que tenham interesse nas áreas de teste e/ou qualidade de sistemas [5].

Para atender as exigências do mercado brasileiro, a ALATS criou a seguinte certificação:

  • CBTS (Certificação Brasileira em Testes de Software): o objetivo desta certificação é estabelecer padrões de conhecimento na área de Testes de Software. Os exames de qualificação para a CBTS ocorrem duas vezes ao ano (maio e novembro) e tem validade de 3 anos. Ao longo desse período, o profissional deve acumular uma pontuação de 50 PDTS[1] ou deve realizar novo exame para validar sua re-certificação.

ISEB – Information Systems Examination Board 

O ISEB é uma instituição internacional criada para padronizar a competência e performance de profissionais da área de TI e suas diversas disciplinas.

As certificações ISEB são divididas em ISEB Foundation Level (aborda uma vasta introdução a disciplina desejada), ISEB Practitioner Level (aborda experiência prática para a disciplina desejada) e ISEB Higher Level (aborda um profundo conhecimento para a disciplina desejada e é voltada para especialistas ou gerentes) [6].

Para a disciplina específica de Testes de Software, a ISEB oferece as seguintes certificações:

ISEB Foundation Level 

  • Foundation Certificate in Software Testing: esta certificação é voltada para o profissional que tem interesse em entender os conceitos básicos em Testes de Software. Esta certificação também é acreditada pelo ISTQB, portanto, o profissional que obtém esta certificação recebe ambas as certificações: ISEB Foundation Certificate in Software Testing e ISTQB Certified Tester Foundation Level
  • Intermediate Certificate in Software Testing: esta certificação é voltada para o profissional que está se especializando na área de Testes de Software e que deseja comprovar habilidades analíticas na área e que possui conhecimentos teórico e prático na área. Esta certificação é o próximo nível a ser obtido pelo profissional certificado no ISEB Foundation Certificate in Software Testing. Esta certificação é pré-requisito para a obtenção de certificações ISEB Practitioner Level voltadas para a área de testes

ISEB Practitioner Level 

  • Practitioner Certificate in Test Analysis: esta certificação é voltada para o profissional que deseja comprovar conhecimentos para se manter ativamente envolvido com análises da área de testes, em qualquer aspecto. Esta certificação estende os conhecimentos da certificação ISEB Foundation Certificate in Software Testing e cobre os aspectos técnicos da certificação ISEB Intermediate Certificate in Software Testing. Um profissional com esta certificação possui alto nível de competência técnica na área.
  • ISEB Practitioner Certificate in Test Management: esta certificação é voltada para o professional que trabalha com gerência de Testes de Software. Ela estende os conhecimentos da certificação ISEB Foundation Certificate in Software Testing e cobre os aspectos gerenciais da certificação ISEB Intermediate Certificate in Software Testing. Um profissional com esta certificação possui alto nível de competência gerencial na área.

IIST – International Institute of Software Testing 

O IIST é uma instituição formada por um conselho, formado de especialistas e profissionais da área de testes, que tem o intuito de direcionar os esforços para desenvolver um plano de treinamentos baseado em certificações. O IIST acredita que as certificações comprovam o conhecimento do profissional naquele assunto específico.
As certificações IIST expiram em 3 anos e são divididas em:

  • CSTP – Certified Software Test Professional: Voltado para o profissional iniciante na área de Testes de Software e que deseja se especializar na área. Os conhecimentos exigidos do profissional relaciona-se aos seguintes tópicos: princípios de testes, projeto de testes, gerenciamento de testes, execução e rastreamento de defeitos, definição, refinamento e verificação de requisitos, testes automatizados e testes estáticos.
  • CTM – Certified Test Manager: voltado para o profissional com experiência mínima de 3 anos na área de Testes de Software e que pretende se tornar gerente de testes. Os conhecimentos exigidos do profissional relaciona-se aos seguintes tópicos: gerência do processo de testes, gerência de projetos de testes, melhoria e métricas relacionadas aos testes, gerenciamento organizacional da área de testes, gerência de riscos, estratégias e arquiteturas para automatização de testes, garantia da qualidade de software.

Qual o caminho a ser seguido por um profissional da área de testes de software?

O mercado de TI vem se tornando mais competitivo a cada dia. Participar de um processo seletivo com chances de ficar com a posição requer que o profissional tenha diferenciais em seu currículo. Neste contexto, as certificações podem representar este diferencial e, consequentemente, a contratação.
Acredita-se que a certificação tem maior importância para o profissional que está em início de carreira. As certificações asseguram a esses profissionais, apesar de algumas opiniões controversas, um determinado nível de conhecimento sobre a área e isso pode significar uma posição em uma empresa.
A certificação é um bom início para quem deseja iniciar na área de teste. No entanto, o profissional não deve ficar satisfeito com essa opção. Ele precisa adquirir experiência e conhecimento na área se desejar alavancar a carreira.
Existem algumas opções de plano de carreira na área de testes: testador, analistas de testes, engenheiro de testes / arquiteto de teste, líder de teste / gerente de teste / coordenador de testes. Este seria um possível caminho a ser percorrido por um profissional de testes, no entanto, este caminho não é o único e não deve ser considerado como uma sugestão deste autor. Os cargos e as remunerações variam entre as empresas e entre as diversas regiões do país e a carreira deve estar atrelada aos objetivos profissionais.
Esta variação pode ser observada através do resultado da pesquisa de cargos e salários organizada por Cristiano Caetano em 2007 [7]. Nas Figura 1 e Figura 2 estão apresentados os resultados obtidos com a pesquisa, onde é possível observar a variação de remuneração praticada pelas empresas para diferentes cargos e regiões do país.

Figura 2.01 – Cargos e Salários

 

Figura 2.02 – Cargos e salários distribuídos por estados

 

Para o profissional que deseja obter uma certificação e ingressar no mercado de Testes de Software, seguem algumas dicas de alguns profissionais da área:

  • Escolher um bom curso preparatório. Herbert Maroni, diretor de desenvolvimento da 4sec Brasil e autor de livros sobre C#, VB.NET, AJAX e ASP.NET, faz um alerta: “geralmente o curso não é o suficiente”. Maroni acredita que o candidato precisa se dedicar aos estudos independentemente do curso que tenha escolhido [8].
  • Procurar o máximo de informações sobre a prova a ser realizada. Isso significa conhecer o conteúdo do exame, a duração, o custo e o local de realização [9].
  • Adquirir e separar material de estudo e fazer simulados podem fazer a diferença para o candidato. Recomenda-se fazer, no mínimo, dois simulados antes da prova e estudar as respostas das questões que se errou.  [8]

Além de conhecimentos e experiências na área de Testes de Software, pode ser importante que o profissional adquira conhecimentos e experiências em áreas correlatas. Isso dependerá da área e da carreira almejadas.
Para um profissional que deseja se especializar em automatização de testes, a aquisição de conhecimentos em linguagens de programação pode ser uma boa opção. O mesmo raciocínio vale para o profissional que deseja ocupar a posição de gerente de testes. Neste caso, uma certificação em gestão de projetos pode ser um diferencial.

Conclusão

A área de testes vem se expandindo no Brasil e acredita-se que a existência de uma área de testes nas fábricas de software já é uma tendência. Para tanto, espera-se que os profissionais da área acompanhem esta tendência e especializem-se cada dia mais.
Percebe-se ainda que há diferenças significativas de reconhecimento e remuneração nas diversas partes do país. Isso se deve ao fato da área ainda estar em expansão e das empresas ainda não estarem preparadas para acomodar esse tipo de profissional especializado. Pode-se dizer que esta é a realidade no Brasil de hoje.
No entanto, independentemente da região do país, as certificações em Teste de Software já se tornaram um assunto corriqueiro nas discussões que envolvem tais profissionais especializados.
Nestas horas, entra em ação sempre a mesma dúvida: Certificações, valem a pena?
A resposta é: Depende!
Várias perguntas devem ser respondidas pelo profissional antes que se chegue a alguma conclusão. Conforme vimos neste capítulo, a conclusão vai depender da expectativa e da experiência do profissional, da região do país onde ele atua (ou deseja atuar), da empresa contratante, dentre diversos outros fatores. Além disso, a escolha pela certificação também pode ser um fator determinante.
As diversas certificações existentes exigem diferentes níveis de conhecimento e dedicação do candidato e possuem diferentes níveis de reconhecimento mercadológico. Sem dúvida, as certificações agregam valor ao candidato, porém, não espere que ela substitua a necessidade de experiência. A experiência ainda é mais relevante em uma possível contratação.

O profissional de TI deve ter, durante sua carreira, dois objetivos básicos: Conhecimento e Experiência.
Quando o profissional consegue perseguir estes dois objetivos com foco e determinação, as chances dele ser bem sucedido crescem significativamente. Se a certificação desejada estiver alinhada aos objetivos citados, as chances de sucesso aumentam ainda mais.

 

Referências Bibliográficas

[1] Lima, L. À procura de testadores de software. Disponível em: <http://www.timaster.com.br/revista/materias/main_materia.asp?codigo=1560>. Acesso em: 19 fev. 2010.
[2] Scarazzato, F. Entrevista com Fernando Scarazzato. Disponível em: <http://www.testexpert.com.br/?q=node/1086>. Acesso em 18 fev. 2010.
[3] QAI Brasil – Quality Assurance Institute. Disponível em <http://www.qaibrasil.com.br/>. Acesso em 16 mar. 2010.Edit this page (if you have permission) |

[4] BSTQB – Brasilian Software Testing Qualifications Board. Disponível em: <http://www.bstqb.org.br/>. Acesso em: 01 mar. 2010.

[5] ALATS – Associação Latino-Americana de Testes de Software. Dispónível em: <http://alats.org.br>. Acesso em 01 mar. 2010.

[6] THE CHARTERED INSTITUTE FOR IT. Disponível em <http://www.bcs.org/server.php?show=nav.5732>. Acesso em 01 mar. 2010.
[7] Caetano, C. Cargos e Salários: Quanto ganha o profissional de teste e qualidade de software. Disponível em: <http://www.testexpert.com.br>. Acesso em: 18 fev. 2010.
[8] Ramos, T. O. Certificações: prepare-se para os exames das principais plataformas. Disponível em: <http://www.itweb.com.br>. Acesso em: 18 fev. 2010.
[9] Ramos, T. O. Certificações: avaliar demanda do mercado ajuda na escolha. Disponível em: <http://www.itweb.com.br>. Acesso em: 18 fev. 2010.
[10] Ramos, T. O. Certificação pode fazer diferença no começo da carreira. Disponível em: <http://www.itweb.com.br>. Acesso em: 18 fev. 2010.
[11] IIST – International Institute for Software Testing. Disponível em <http://www.testinginstitute.com>. Acesso em 01 mar. 2010.Google Docs — Web word processing, presentations and spreadsheets.